quinta-feira, 16 de julho de 2009

Taça Libertadores - Final: Estudiantes campeão no Brasil.

O Estudiantes de La Plata venceu o Cruzeiro por 2 a 1, em pleno estádio Mineirão, e conquistou o seu quarto título na Taça Libertadores da América. O clube havia conquistado a competição em 1968, 69 e 70, e garantiu vaga no Mundial de Clubes, a ser disputado em Dubai, em dezembro.

Verón levantou a taça
Foi a sexta derrota consecutiva de um clube brasileiro para um estrangeiro em finais de Libertadores (Palmeiras em 2000, São Caetano-2002, Santos-2003, Grêmio-2007 e Fluminense-2008). Para os Estudiantes, curiosamente, nos seus quatro títulos de Libertadores, a família Verón esteve representada: Juan Ramón, nos três primeiros, e seu filho Juan Sebastian, agora em 2009.
Jogo foi nervoso

A maior parte dos cerca de 65 mil torcedores no estádio em Belo Horizonte saiu calada. Em toda a partida, o Cruzeiro esteve muito abaixo do que apresentara em outras partidas no torneio. Visivelmente nervoso, a equipe criou poucas jogadas que representassem real perigo ao goleiro Andujar.

O duelo começou com lances ríspidos: Verón acertou Ramires com uma cotovelada, e o mesmo Ramires se desentendeu com Fernandez pouco depois. O camisa 8 cruzeirense, diga-se, fez sua última partida pela Raposa, devendo-se apresentar ao Benfica para a pré-época.
Antes do jogo, festa foi brasileira

Um dos poucos lances de destaque do Cruzeiro veio na metade da primeira parte: Wellington Paulista recebeu na frente, mas Andujar foi mais rápido e interceptou. Minutos depois, Boselli esteve perto de abrir o placar, mas errou o chute na entrada da pequena área. Os gols, contudo, ficaram para os 45 minutos finais.

Aos 51’, Henrique recebeu de Marquinhos Paraná e arriscou de longe. A bola desviou em Desábato e enganou Andujar, 1 a 0. Porém, aos 57’, o empate: Cellay cruzou e Fernandez igualou o escore. O nervosismo bateu novamente à porta do time comandado por Adílson Batista.
Kleber teve atuação apagada

E as coisas pioraram aos 72 minutos. Verón cobrou escanteio e o artilheiro Boselli cabeceou sem marcação para virar o placar. O Cruzeiro se atirou para o ataque, e acertou o travessão aos 85 minutos, em tentativa de Thiago Ribeiro. O mesmo Thiago teve nova oportunidade para empatar, mas finalizou por cima após escanteio. Não teve jeito. A comemoração era dos “Pinchas” de La Plata.

Estudiantes campeão pela quarta vez

Vídeos

Resumo


Minutos finais

Add to Technorati Favorites

Texto: Matheus Rocha (correspondente e coloborador do Desportugal no Brasil) [fotos: Terra]

Página Inicial

3 comentários:

  1. Para quem gosta de recordar o nosso clube em imagens, recordando as nossas vitórias e glórias, visite o Armazém Leonino. Julgo que passará alguns momentos nostalgicos. Peço desculpa pela intromissão!

    http://armazemleonino.blogspot.com

    para apaixonados por cromos,jornais antigos, relatos de futebol, revistas antigas, etc... visite!

    ResponderEliminar
  2. Há tempos tenho acompanhado a Libertadores, e nos últimos seis anos, o nível está caindo demais e a maioria dos comentaristas afirmaram que o grupo do Cruzeiro era o grupo mais fraco desta Libertadores, por isso conseguiu chegar à final. Agora, cá entre nós, Boyacá Chicó, Deportivo Quito, Sucre, Meu Deus, me desculpem a estranheza do termo,está parecendo uma “Copa do Brasil ” Intercontinental, cheio de babas, o Cruzeiro sendo a melhor baba, chegou à final com a segunda melhor baba, porque um time que, após os seus jogos o melhor jogador em campo é o goleiro, como aconteceu em várias partidas, não pode ser campeão, isto seria sorte demais. Durma-se com este barulho. O Cruzeiro está com um sério problema de AMARELÃO.

    Valeu o Véron, demostrou ser aos 34 anos ainda ser um senhor do meio campo.

    ResponderEliminar
  3. concluindo o Ramires não jogou nada e a Cruzeiro perdeu?

    ResponderEliminar

Home - Desportugal - Blog de Notícias Desportivas